Fechar
Socilitações

Política de Cookies

Seção 1 - O que faremos com esta informação?

Esta Política de Cookies explica o que são cookies e como os usamos. Você deve ler esta política para entender o que são cookies, como os usamos, os tipos de cookies que usamos, ou seja, as informações que coletamos usando cookies e como essas informações são usadas e como controlar as preferências de cookies. Para mais informações sobre como usamos, armazenamos e mantemos seus dados pessoais seguros, consulte nossa Política de Privacidade. Você pode, a qualquer momento, alterar ou retirar seu consentimento da Declaração de Cookies em nosso site.Saiba mais sobre quem somos, como você pode entrar em contato conosco e como processamos dados pessoais em nossa Política de Privacidade. Seu consentimento se aplica aos seguintes domínios: palmiericonsultoria.com.br

Seção 2 - Coleta de dados

Coletamos os dados do usuário conforme ele nos fornece, de forma direta ou indireta, no acesso e uso dos sites, aplicativos e serviços prestados. Utilizamos Cookies e identificadores anônimos para controle de audiência, navegação, segurança e publicidade, sendo que o usuário concorda com essa utilização ao aceitar essa Política de Privacidade.

Seção 3 - Consentimento

Como vocês obtêm meu consentimento? Quando você fornece informações pessoais como nome, telefone e endereço, para completar: uma solicitação, enviar formulário de contato, cadastrar em nossos sistemas ou procurar um contador. Após a realização de ações entendemos que você está de acordo com a coleta de dados para serem utilizados pela nossa empresa. Se pedimos por suas informações pessoais por uma razão secundária, como marketing, vamos lhe pedir diretamente por seu consentimento, ou lhe fornecer a oportunidade de dizer não. E caso você queira retirar seu consentimento, como proceder? Se após você nos fornecer seus dados, você mudar de ideia, você pode retirar o seu consentimento para que possamos entrar em contato, para a coleção de dados contínua, uso ou divulgação de suas informações, a qualquer momento, entrando em contato conosco.

Seção 4 - Divulgação

Podemos divulgar suas informações pessoais caso sejamos obrigados pela lei para fazê-lo ou se você violar nossos Termos de Serviço.

Seção 5 - Serviços de terceiros

No geral, os fornecedores terceirizados usados por nós irão apenas coletar, usar e divulgar suas informações na medida do necessário para permitir que eles realizem os serviços que eles nos fornecem. Entretanto, certos fornecedores de serviços terceirizados, tais como gateways de pagamento e outros processadores de transação de pagamento, têm suas próprias políticas de privacidade com respeito à informação que somos obrigados a fornecer para eles de suas transações relacionadas com compras. Para esses fornecedores, recomendamos que você leia suas políticas de privacidade para que você possa entender a maneira na qual suas informações pessoais serão usadas por esses fornecedores. Em particular, lembre-se que certos fornecedores podem ser localizados em ou possuir instalações que são localizadas em jurisdições diferentes que você ou nós. Assim, se você quer continuar com uma transação que envolve os serviços de um fornecedor de serviço terceirizado, então suas informações podem tornar-se sujeitas às leis da(s) jurisdição(ões) nas quais o fornecedor de serviço ou suas instalações estão localizados. Como um exemplo, se você está localizado no Canadá e sua transação é processada por um gateway de pagamento localizado nos Estados Unidos, então suas informações pessoais usadas para completar aquela transação podem estar sujeitas a divulgação sob a legislação dos Estados Unidos, incluindo o Ato Patriota. Uma vez que você deixe o site da nossa loja ou seja redirecionado para um aplicativo ou site de terceiros, você não será mais regido por essa Política de Privacidade ou pelos Termos de Serviço do nosso site. Quando você clica em links em nosso site, eles podem lhe direcionar para fora do mesmo. Não somos responsáveis pelas práticas de privacidade de outros sites e lhe incentivamos a ler as declarações de privacidade deles.

Seção 6 - Segurança

Para proteger suas informações pessoais, tomamos precauções razoáveis e seguimos as melhores práticas da indústria para nos certificar que elas não serão perdidas inadequadamente, usurpadas, acessadas, divulgadas, alteradas ou destruídas.

Seção 7 - Alterações para essa política de privacidade

Reservamos o direito de modificar essa política de privacidade a qualquer momento, então por favor, revise-a com frequência. Alterações e esclarecimentos vão surtir efeito imediatamente após sua publicação no site. Se fizermos alterações de materiais para essa política, iremos notificá-lo aqui que eles foram atualizados, para que você tenha ciência sobre quais informações coletamos, como as usamos, e sob que circunstâncias, se alguma, usamos e/ou divulgamos elas. Se nosso site for adquirido ou fundido com outra empresa, suas informações podem ser transferidas para os novos proprietários para que possamos continuar a vender produtos e serviços para você

Envie uma mensagem para nós!

A criação, a continuidade e o pagamento de tributos por uma empresa se deve ao sacrifício daqueles que a constituíram e dirigem, então porque tributar também suas retiradas ? 

Uma entidade somente pode se constituir como uma pessoa fictícia por meio de ações de pessoas naturais.

São as pessoas naturais que, por meio de procedimentos legais, se utilizam de seu patrimônio e prestação de serviços para o exercício da existência de uma pessoa fictícia.

Desse modo a partir do momento em que a pessoa fictícia se constitui com personalidade independe e autônoma em relação as pessoas naturais que a constituíram, o patrimônio entre estas não deve ser confundido (princípio da entidade).

Porém a funcionalidade da pessoa fictícia continua sendo realizada pelas ações das pessoas naturais que a constituíram. Estas ações se traduzem na relação com fornecedores, com consumidores, com empregados, como também no pagamento de tributos.

Sem as ações de seus constituidores ou gestores pessoas naturais, a pessoa fictícia deixa de existir. Embora a lei atribua responsabilidade civil a pessoa fictícia, a responsabilidade de fato é exercida por seus representantes, as pessoas naturais.

“Código Civil, art. 1001, caput

Art. 1.001. As obrigações dos sócios começam imediatamente com o contrato, se este não fixar outra data, e terminam quando, liquidada a sociedade, se extinguirem as responsabilidades sociais ”.

Assim, uma dívida tributária será assumida pela responsabilidade da pessoa fictícia que responderá com o seu patrimônio, mas tais ações serão exercidas por seus representantes constituidores e gestores.

Entende-se sob esse raciocínio que o propósito da constituição da pessoa fictícia foi exatamente uma transferência de responsabilidade. A responsabilidade da pessoa natural é transferida para a da pessoa fictícia, respondendo esta pelo patrimônio pelo qual foi constituída, para com fornecedores, empregados, tributos etc.

Tal transferência pode ser interpretada em razão da celebração de um contrato nos termos do artigo 981 do Código Civil:

Art. 981. Celebram contrato de sociedade as pessoas que reciprocamente se obrigam a contribuir, com bens ou serviços, para o exercício de atividade econômica e a partilha, entre si, dos resultados.

Percebe-se pela inteligência do art. 981 que o exercício da pessoa natural é substituído de forma artificial pelo exercício da pessoa fictícia, conforme pode ser complementado pela redação do artigo 966 do Código Civil:

Art. 966. Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens ou de serviços.

Notem bem, a pessoa fictícia passa a ser a atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens ou de serviços. Mas suas ações de fato são exercidas pelas pessoas naturais que a representam (sócios).

O capital subscrito pelos sócios (pessoas naturais), que passa a pertencer a pessoa jurídica (pessoa fictícia) tem com o objetivo futuro a geração de lucro, sendo este tributável conforme as disposições legais existentes.

Incidindo a tributação sobre o lucro da atividade econômica (devido aquisição de disponibilidade econômica ou jurídica de renda ou proventos – CTN, art. 43) não poderão as pessoas naturais, representantes daquela, também sofrer responsabilidade sobre a tributação de seus dividendos percebidos, pois o lucro da pessoa fictícia decorre do patrimônio investido pelas pessoas naturais. É como se o patrimônio fosse tributado em duas fases, o que na realidade não deve ocorrer sob ponto de vista analógico.

“A interpretação de leis em âmbito tributário deve respeitar a tipicidade restrita, não tolerando o Estado de Direito que se crie responsabilidade tributária com recurso à analogia. MINISTRO FRANCISCO FALCÃO. RECURSO ESPECIAL Nº 384.309 - RS (2001/0155932-0) ”.

Sob esse estudo conclui-se que a instituição de tributação sobre dividendos derivados do exercício das pessoas naturais na qualidade de representantes de pessoa fictícia teria um caráter meramente arrecadatório. Uma abusividade imposta pela própria lei, pois tais obrigações já pagas na pessoa da entidade (pagamento de tributos) não devem ser repetidas, sob pena de enriquecimento arbitrário do próprio erário.

Fonte: Contábeis


Voltar a listagem de notícias